quinta-feira, outubro 20, 2011

Um Olhar Estenopeico


No diversificado olhar que dispenso aos muitos que produzem imagem fotográfica estenopeica encontro trabalho que me entusiasma e delicia. Quase sempre pelo discurso da Luz e que encontro nessses trabalhos, outras vezes pela expressividade do percurso temporal e quase nunca pela maior ou menor dimensão da câmara empregue.
O exotismo de alguns “recipientes” em câmara transformados não me estimulam. O gigantismo ou pequenez do objecto utilizado quando não produtores de uma obra estéticamente interessante pouco mais farão que engrossar a lista de algo que não busco. Não que despreze o trabalho de outros entusiastas, muitos dos trabalhos são de forte criatividade, mas se não é por alguém fotografar com uma qualquer excentricidade da tecnologia ou preço ou dimensão que a obra será de valor estético reconhecido, também não será por uma Fotografia Estenopeica ser realizada num hangar ou dentro da boca que valorizarei o resultado final.
Os fotógrafos que por esse mundo fora se dedicam à prática da Fotografia Estenopeica são cada vez em maior número, a sua qualidade estética destaca-se dos biliões de fotografia sque a rede propões e é significativo que muitos tendo iniciado o seu percurso na fotografia digital se tenham entusiasmado e aderido a um processo de grande simplicidade tecnológica e a que o assimilar de conhecimentos estéticos mais vastos é razão de uma mais qualificada produção.
O número de praticantes estimula fabricantes de câmaras e emulsões o que torna o nicho de praticantes de Fotografia Estenopeica num interessante mercado para os processos de fotografia alternativa. Hoje, é neste nicho que se encontram conhecedores mais esclarecidos e mais exigentes e encontrando entre eles muitos jovens praticantes de reconhecida qualidade.
Por cá não é numeroso o grupo de praticantes e o número de entradas no “Worldwide Pinhole Photography Day” em 2011 foi menos de metade  do ano anterior. Vive-se de entusiasmos momentâneos muitas vezes pelo trabalho de motivação de alguns mais entusiastas a que muitas vezes não é dado valor. Os praticantes momentâneos dominam mal o discurso fotográfico e isso reflecte-se no trabalho produzido, o que os desmotiva e leva a abandonar a prática da Fotografia Estenopeica. E, convenhamos o nosso espírito um pouco vaidoso não se exprime a mostrar uma câmara fotográfica tão digamos ... paupérrima. Somos desta massa feita, e aí a expressão “a minha é maior que a tua” não faz alarde da imponência que alguns buscam na ostentação de algumas câmaras, pois, não é uma Leica.
A divulgação, a formação, a prática deste processo fotográfico, considerado alternativo por muitos é imperiosa tornando assim possível o aumento do número de praticantes regulares. E consistentemente a evolução qualitativa dos mesmos.
Os autores portugueses mais coerentes na sua produção reflectem no entusiamo da sua prática e na qualidade do seu trabalho bastante qualidade, torna-se imperioso alguma forma de organização que proporcione maior visibilidade ao que produzem. Continuarei a tentar para que se realize um encontro nacional de produtores de Fotografia  Estenopeica. Continuarei a trabalhar para que mais se juntem neste grupo de prática fotográfica. E, nesse trabalho incluo as diferentes acções formativas que desenvolvo, e que por vezes me entusiasmam tanto quanto a realização do diverso material fotográfico que produzo.
Por isso e para que se reforce a prática da Fotografia Estenopeica aqui deixo alguma informação sobre eventuais acções que poderei desenvolver, apareça que as queira dinamizar. Estas acções podem ser desenvolvidas em Escolas, Juntas de Freguesia, Grupos de Actividades Culturais, Sindicatos, grupos organizados, etc.



1ª Proposta
Dirigido a todos os interessados na divulgação dos vários aspectos da Fotografia Estenopeica uma Oficina de Formação de Dinamizadores. Quatro fins-de-semana de formação intensiva com um programa vasto e motivador.

Sessão 1

I –
1. Apresentação do Módulo de Formação
2. Pequena Resenha Histórica
3. Bases da Formação da Imagem
4. Introdução à Prática da Fotografia Estenopeica
5. O “Porquê?” da Fotografia Estenopeica
6. O Desenvolvimento Actual da Fotografia Estenopeica
7. A Fotografia Estenopeica em Portugal
8. Artistas da Fotografia Estenopeica
9. A Importância da Fotografia Estenopeica no Contexto Sócio-cultural/Sócioeconómico

II –
1. Estrutura de Um Projecto para Jovens
2. Como Motivar a Prática da Fotografia Estenopeica
3. Fotografia Estenopeica – Uma Oficina Segura
4. Os Três Bês da Fotografia Estenopeica – Bom – Bonito – Barato
5. Adaptar o Simples à Prática da Fotografia  Estenopeica

III –
1. Lata de Biscoitos, Lata de Tinta uma Fácil Opção


Sessão 2
I –
1. A Importância da Rede na Divulgação da Fotografia Estenopeica
2. Fotografia Estenopeica – Que Discussão – Que Motivação (“Provocação Dirigida aos
Intervenientes)
3. Alguns Aspectos Estéticos da Fotografia Estenopeica
4. Diferentes Opções da Representação em Fotografia Estenopeica
5. Como Aprofundar a Motivação Discursiva na Fotografia Estenopeica
6. Fotografia Estenopeica Processo Alternativo para Fotografia de Autor

II –
1. Câmara Fotográfica de Película? Adapte-a à Fotografia Estenopeica
2. Adaptação de Algumas Câmaras Para Mais Rápida Motivação de Futuros Praticantes
3. Construção Avançada de Uma Câmara Estenopeica
4. Como Controlar o Material a Utilizar
5. Alguns Calculadores Disponíveis na “net”
6. Analisar Resultados

III –
1. Construção de uma Câmara de Grandes Dimensões
2. Projecto Individual – Temático
3. Produção de um Projecto de Trabalho em Grupo
4. Definição do Projecto de Grupo e seu Âmbito
5. Avaliação da Exequibilidade das Possibilidades de Execução de um Projecto
6. Definição de uma Acção Programada de Fotografia Estenopeica em Exterior

Sessão 3

1. Realização de Uma Acção Programada
2. Tratamento do Material Produzido
3. Análise dos Resultados Obtidos

Sessão 4

1. Apresentação da Proposta de Grupo
2. Entrega e Discussão Final do Projecto de Grupo
3. Entrega e Apreciação do Projecto Individual Temático
4. Entrega e Discussão Final do Projecto de Grupo
5. Entrega e Discussão Final do Projecto Individual
6. Análise Crítica
7. Organização de Uma Exposição



Este projecto é orientado para professores, dinamizadores de grupos de trabalho com jovens, pedagogos, activistas juvenis,



2ª Proposta

Uma Oficina de Fotografia Estenopeica (pinhole) dirigida a quem deseje praticar este processo alternativo de produção de imagem fotográfica. Ideal para actividades extra-curriculares.


Público-alvo: Interessados na prática da Fotografia Estenopeica com ou sem conhecimentos de Fotografia

Número Máximo de Inscrições: 15

Número de horas para Formação: 24

Horário da Formação: Sábados manhã - 10/13 ou tarde - 14,30/17,30

Conhecimentos exigidos: Utilização de computadores


A Fotografia Estenopeica pela sua simplicidade técnica abre caminhos vários para a motivação criativa do indivíduo bem como possibilita uma aproximação a diferentes aspectos do conhecimento: física da luz, formação da imagem e processo fotográfico são algumas das áreas abordadas ao longo deste curso dedicado à Fotografia Estenopeica (pinhole).


Programa de Formação

Sessão 1

1. Apresentação do Módulo de Formação.

2. Pequena Resenha Histórica.

3. Bases da Formação da Imagem.

4. Introdução à Prática da Fotografia Estenopeica.

5. Porquê Fotografar com Câmaras Estenopeica

6. A Fotografia Estenopeica em Portugal

7. Construção de Uma Câmara Estenopeica.

8. Os Três Bês da Fotografia Estenopeica – Barato – Bonito – Bom

9. A Oficina de Preparação de Uma Câmara Estenopeica

10. Câmaras com Requinte

11. Lata de Biscoitos, Lata de Tinta uma Fácil Opção.

12. Como Adaptar Objectos Simples Para a Prática da Fotografia estenopeica

13. Pintura e Perfuração de Duas Vulgares Embalagens

14. Controlo da Perfuração Obtida

15. Teste Prático das Câmaras Preparadas

16. Análise dos Resultados Obtidos

17. Câmara Fotográfica de Película? Adapte-a à Fotografia Estenopeica

18. Adaptação de Algumas Câmaras

19. A Importância da “net” na Divulgação da Fotografia Estenopeica

20. Como Controlar o Material a Utilizar

21. Alguns Calculadores Disponíveis na “net”

22. Recolha de Imagens Para Teste das “Latocâmaras” Construídas ou Adaptadas

23. Tratamento Laboratorial


Sessão 2

1. Construção Avançada de Câmaras Para Fotografia Estenopeica

2. Diferentes Tipos de Materiais Para Construção a. Madeira, Alumínio, K-line, Cartolina, Acrílico

3. Tratamento do Interior de uma Câmara Destinada à Fotografia Estenopeica.

4. O Sistema de Exposição

5. Projecto Individual – Preparação de um Projecto Individual para a Construção de Uma Câmara Estenopeica.


Sessão 3

1. Saída Para o Exterior


Sessão 4

1. Tratamento e Análise Crítica do Trabalho Realizado na Sessão 4


Sessão 5

1. Projecto Individual – Apresentação de um Projecto Individual para a Construção de Uma Câmara Estenopeica.

2. Análise aos Projectos Apresentados

3. Alguns Aspectos Estéticos da Fotografia Estenopeica

4. Diferentes Opções da Representação em Fotografia Estenopeica

5. Como Aprofundar a Motivação Discursiva na Fotografia Estenopeica

6. Fotografia Estenopeica Processo Alternativo para Fotografia de Autor

7. Discussão de Um projecto Temático de Trabalho

8. Construção de uma Câmara Estenopeica

9. Verificação e Controlo dos Diferentes Projectos

10. Teste Prático das Diversas Câmaras


Sessão 6

1. Saída Para o Exterior


Sessão 7

1. Tratamento dos Trabalhos Realizados

2. Construção de uma Câmara de Grandes Dimensões

3. Projecto Individual – Temático

4. Organização de Uma Exposição


Sessão 8

1. Tratamento dos Trabalhos Destinados à Exposição








quarta-feira, outubro 19, 2011

Oficina de Fotografia Estenopeica E Introdução ao Processo Laboratorial a Preto e Branco



Esta oficina é dirigida a quantos tenham interesse na prática de um dos processos

 alternativos da prática fotográfica, independentemente dos seus conhecimentos



1. O que é a Fotografia
2. Pequena Resenha Histórica
3. Bases da Formação da Imagem
4. Introdução à Prática da Fotografia Estenopeica
5. Fotografia Estenopeica, do Lúdico ao Criativo
6. Alguns Percursos_Alguns Autores
7. Construção de Uma Câmara Estenopeica.
8. Os Três Bês da Fotografia Estenopeica – Bom – Bonito – Barato
9. Lata de Biscoitos, Lata de Tinta uma Fácil Opção.
10. Do Discurso da Luz à Expressão do Objecto Estenopeico
11. Caracterização da Estética da Representação na Fotografia Estenopeica
12. Como Adaptar Objectos Simples Para a Prática da Fotografia Estenopeica
13. Pintura e Perfuração de Duas Vulgares Embalagens
14. Controlo de “Precisão” dos Furos Realizados
15. O Laboratório Mínimo Para a Prática de Fotografia Estenopeica
16. Introdução ao Processo Laboratorial a Preto e Branco
17. Tratamento Laboratorial
18. Opções de Trabalho Laboratorial na Fotografia Estenopeica
19. Recolha de Imagens Para Teste das “Lato-câmaras” Construídas ou Adaptadas
20. Teste Prático das Câmaras Preparadas
21. Definição de Um Projecto e Execução do Mesmo
22. Análise Critica do Material Obtido
23. Concretização de Projecto Temático

_Acessórios de Trabalho_Tinta Preta_Papel Fotográfico_Produtos Químicos Incluídos
As latas para adaptarem serão opção de cada interessado

4 Sessões de 2 horas
Número Mínimo_4 - Número máximo_8
Será fornecido um vasto conjunto de informações

Calendário_5_12_19_26 de Novembro
Horário_15/17 horas

Para mais informações contactar

terça-feira, outubro 18, 2011

Calculadores

TEMPERATURA

Fahrenheit to Celsius

Fahrenheit:

Celsius to Fahrenheit

Celsius:
Free JavaScripts provided
by The JavaScript Source


Calculador para o Desenho de Câmaras Estenopeicas

Introduza o valor da Distância Focal e pressione Calcular
Por Distância Focal entende-se a Distância do plano da Emulsão ao Estenopo

 Distância Focal 
Polegadas mm
 Diâmetro do Estenopo 
 Diafragma 
 Diâmetro do Círculo da Imagem 
Este calculador pode ser encontrado em http://mrpinhole.com/index.php