domingo, julho 17, 2016

pinhole.no.sapo.pt

 Este era o título da primeira página portuguesa dedicada à Fotografia Estenopeica. Senti-me ainda obrigado a usar a palavra sustentada pela expressão anglo-saxónica. Francófono de base que na formação estudantil quer nos conhecimentos fotográficos "sténopé" era a expressão que dominava e estenopeica era a expressão naturalmente a ser usada pelos de língua latina. "Sténopo" palavra grega seria uma boa sustentação para Estenopo e para Estenopeica e assim fui divulgando a expressão fotografia Estenopeica. Hoje, penso que em Portugal, quem se dedica com regularidade à prática e à investigação, não deixará de usar a expressão Estenopeica.



Mas passemos à apresentação do que irá seguir-se nas próximas entradas. Pausadamente e sem atropelos, lançarei neste "blog" o que era a página inicial. Alguns acrescentos serão feitos e colagens e indicações diversas servirão à sustentação da apresentação. Longo vai um percurso para o qual partimos sozinhos. Sim sozinhos. Alguns, muito poucos que se dedicavam a esta forma de obter imagem fotográfica eram quase desconhecidos. Os poucos que andavam em torno da técnica, limitavam-se quase em exclusivo à presença no "Worldwide Pinhole Photography Day" e para mim era importante tornar a prática uma actividade regular e associada a projectos para lá das questões meramente associados à questão de cariz técnico.

Assim nasceu a página - inicialmente realizada por mim e que mais tarde pode contar com a colaboração na questão de informática de José Antunes.







Visualmente a página abria assim


e estruturou-se numa apresentação que ia evoluindo em função do calendário de actividades e a que se associavam áreas de divulgação que se mantinham constantes e que dessa forma permitiam a captação de novos praticantes.







 A representação esquemática da formação da imagem, permitia aos que nunca tinham tido contacto com a razão base da formação da imagem perceber que não eram as lentes que formavam a imagem. Ideia muito enraizada em vasto número de praticantes da fotografia. As lentes, essas serviam apenas para e em função da sua construção adaptar/melhorar a imagem formada aos interesses de praticantes e profissionais. A Fotografia Estenopeica tinha outro percurso para percorrer.












Desta forma o iniciado tomava contacto com a razão histórica de uma tecnologia que vinha sustentada pelo pensamento do homem questionando a "coisa" da Luz e da Imagem. 













pinhole.no.sapo.pt

 Este era o título da primeira página portuguesa dedicada à Fotografia Estenopeica. Senti-me ainda obrigado a usar a palavra sustentada pela expressão anglo-saxónica. Francófono de base que na formação estudantil quer nos conhecimentos fotográficos "sténopé" era a expressão que dominava e estenopeica era a expressão naturalmente a ser usada pelos de língua latina. "Sténopo" palavra grega seria uma boa sustentação para Estenopo e para Estenopeica e assim fui divulgando a expressão fotografia Estenopeica. Hoje, penso que em Portugal, quem se dedica com regularidade à prática e à investigação, não deixará de usar a expressão Estenopeica.


Mas passemos à apresentação do que irá seguir-se nas próximas entradas. Pausadamente e sem atropelos, lançarei neste "blog" o que era a página inicial. Alguns acrescentos serão feitos e colagens e indicações diversas servirão à sustentação da apresentação. Longo vai um percurso para o qual partimos sozinhos. Sim sozinhos. Alguns, muito poucos que se dedicavam a esta forma de obter imagem fotográfica eram quase desconhecidos. Os poucos que andavam em torno da técnica, limitavam-se quase em exclusivo à presença no "Worldwide Pinhole Photography Day" e para mim era importante tornar a prática uma actividade regular e associada a projectos para lá das questões meramente associados à questão de cariz técnico.

Assim nasceu a página - inicialmente realizada por mim e que mais tarde pode contar com a colaboração na questão de informática de José Antunes.







Visualmente a página abria assim



e estruturou-se numa apresentação que ia evoluindo em função do calendário de actividades e a que se associavam áreas de divulgação que se mantinham constantes e que dessa forma permitiam a captação de novos praticantes.






 A representação esquemática da formação da imagem, permitia aos que nunca tinham tido contacto com a razão base da formação da imagem perceber que não eram as lentes que formavam a imagem. Ideia muito enraizada em vasto número de praticantes da fotografia. As lentes, essas serviam apenas para e em função da sua construção adaptar/melhorar a imagem formada aos interesses de praticantes e profissionais. A Fotografia Estenopeica tinha outro percurso para percorrer.












Desta forma o iniciado tomava contacto com a razão histórica de uma tecnologia que vinha sustentada pelo pelo pensamento do homem questionando a "coisa" da Luz e da Imagem. 














sexta-feira, abril 15, 2016

Oficina de Fotografia Estenopeica







23 de Abril 16 - 19 horas

António Campos Leal


Esta oficina é dirigida a quantos tenham interesse na prática de um dos processos alternativos da prática fotográfica, independentemente dos seus conhecimentos.

Todos os acessórios de Trabalho, tinta preta, papel fotográfico e produtos químicos estão incluídos na oficina.

As latas para adaptarem serão opção de cada interessado

INSCRIÇÃO OBRIGATÓRIA - valor: 5 furos

Idade mínima de participação: 12 anos

Mais sobre o Dia Internacional de Fotografia Estenopeica [Pinhole] :http://pinholeday.org/
ou Worldwide Pinhole Photography Day

Mais sobre o trabalho do fotógrafo em Fotografia Estenopeica [Pinhole] :
http://pinholeiro.tumblr.com/

Espaço de partilha de informações e resultados de workshops entre os associadxs do Com Calma:
https://www.facebook.com/groups/1689871257923583/





 




Com Calma - Espaço Cultural
Rua República da Bolívia 5 C, Benfica, Lisboa, Portugal



quinta-feira, abril 14, 2016

Agora no "Tumblr"

Um outro espaço para divulgação do trabalho desenvolvido





terça-feira, abril 12, 2016

PANORÂMICA A 360º

Em breve a desenvolver novo projecto. Haja saúde e uns tostões










Já testada em breve começará o seu percurso. Faça eu o meu. Um olhar em volta do que são os espaços que nos abrigam ou nos envolvem. Ou talvez não.