terça-feira, maio 09, 2006

Interiores



Como se pode constatar, é possível manter regularidade no controlo de exposição e dessa forma equilíbrio entre diferentes recolhas.

Interiores



O recanto dos traquinas. Cor muita cor.
Um crontrolo cuidado do tempo de exposição
e em Fotografia Estenopeica se obtem uma boa
resposta da emulsão instântanea.

segunda-feira, maio 08, 2006

Interiores


Um cruzamento entre luz natural e fontes de luz artificial. Luz resultante de duas velas com cor diferente. A aceitação de planos em extensão, da câmara até à parede que se lhe opõe. Uma figura em destaque pelo contraste sobre um elemento mais claro.

domingo, maio 07, 2006

Interiores



Uma iluminação equilibrada sobre toda a cena permite visualizar todos os elementos.

quinta-feira, maio 04, 2006

Pinholadas em Óbidos 2


Quantas almas de pensamento feitas percorrem tuas ruas em séculos de tempo feito.
Histórias e histórinhas que tuas ruas povoam, em nossos pensamentos recontadas.
Mas bela em tua luz reforçada e por meu acto festejada.

Pinholadas em Óbidos

Um momento raro. Só nós olhando a serenidade.

PINHOLEDAY



Esta foi a minha opção das várias fotos realizadas num belo fim de tarde na bela Vila de Óbidos, integradas na grande iniciativa que é o "Worldwide Pinhole Photography Day" e em que integro parte do trabalho desenvolvido quer por mim quer pelo clube "Buraco de Agulha".

ESTENOPO 6



A leitura dos valores da imagem obtida permitirá decidirmos o valor a atribuir ao estenopo e por conseguinte calcular o valor do diafragma em função da distância focal.

ESTENOPO 5



É determinante a opção que tomarmos quanto à imagem real que definimos como sendo o furo a avaliar.

ESTENOPO 4



A precisão na delimitação do furo que se pretende dimensionar será determinante para a leitura de valores o mais precisa quanto possível.

ESTENOPO 3


Repetimos o considerando anterior.Operações simples com o já mais que conhecido “Photoshop”, perdoe-se a publicidade, permite reenquadrar o furo realizado e a partir daí recortar a imagem do mesmo.

ESTENOPO 2



Uma vez que a digitalização é de pequena dimensão, a resolução de trabalho pode e deve ser o mais alta quanto possível, permitindo uma perfeita identificação da forma e dimensão do furo em causa.
Operações simples com o já mais que conhecido “Photoshop”, perdoe-se a publicidade, permite reenquadrar o furo realizado e a partir daí recortar a imagem do mesmo.

ESTENOPO 1






O método por mim utilizado para obter informação correcta sobre o diâmetro do estenopo é o da digitalização do furo executado sobre o material de suporte.
Utilizando um digitalizador de transparências torna-se possível obter uma informação de alta precisão sobre o furo realizado.O método é pratico e não exige grande domínio de técnicas muito exigentes.Uma vez que a digitalização é de pequena dimensão, a resolução de trabalho pode e deve ser o mais alta quanto possível, permitindo uma perfeita identificação da forma e dimensão do furo em causa.

ESTENOPOS

Na realização do furo (estenopo) de muitas das câmaras estenopeicas, o diâmetro fica frequentemente por determinar e muitos dos praticantes de Fotografia estenopeica passam de imediato a testes que lhe permitam o controlo da câmara utilizada.Tal percurso pode ser facilmente controlado se o diâmetro do furo fôr conhecido.Assim, dando resposta a muitas interrogações aqui fica o método que utilizo.

INTERIORES

Projecto em desenvolvimento para exposição a anunciar em breve